Importância do Álcool no Controle de Infecções

IMPORTÂNCIA DO ÁLCOOL NO CONTROLE DE INFECÇÕES
EM SERVIÇOS DE SAÚDE
AUTORES: Adélia Aparecida Marçal dos Santos1, Mariana Pastorello Verotti2, Javier Afonso
Sanmartin3, Eni Rosa Aires Borba Mesiano4.
RESUMO
A atenção à saúde é constantemente desafiada por infecções relacionadas aos procedimentos
assistenciais, que resultam em aumento na gravidade das doenças, no tempo de internação, na
mortalidade e nos custos.
O álcool possui propriedades microbicidas reconhecidamente eficazes para eliminar os germes
mais freqüentemente envolvidos nestas infecções, sendo imprescindível na realização de ações simples
de prevenção como a anti-sepsia das mãos, a desinfecção do ambiente e de artigos médico-hospitalares.
Além disto, é adquirido com baixo custo, possui fácil aplicabilidade e toxicidade reduzida.
Este artigo apresenta uma revisão sobre as características anti-sépticas e desinfetantes do álcool,
com suas aplicações e limitações na busca de redução na freqüência e na gravidade das infecções
relacionadas à assistência à saúde.
As exigências legais e os cuidados necessários para a manutenção de suas qualidades como
germicida, durante os processos de aquisição, estocagem, diluição, distribuição também são abordados
neste texto que procura orientar profissionais de saúde e administradores sobre os benefícios gerados
pelo uso cuidadoso deste produto, na promoção da saúde no Brasil.
Palavras-chave: álcool, controle de infecção, desinfecção, anti-sepsia.
ABSTRACT
Healthcare is always challenged by medical assistance related infections, which generate higher
rates of morbidity and mortality as well as unnecessary costs.
Alcohol has been recognized for its microbicidal activity against most microorganisms that cause
infections in the healthcare setting. It plays an important role in hand hygiene and disinfection of medical
devices and the environment. In addition, alcohol is obtained at low cost, presents reduced toxicity and it is
simple to use.
This article reviews the applications and limitations of alcohol in preventing nosocomial infections.
Legal aspects of acquisition, storage, dilution and distribution are also presented, orienting health care
professionals and administrators about the benefits obtained by the use of alcohol as an antiseptic and as
a disinfectant to promoting infection control.
Key-words: alcohol, infection control, antisepsis, disinfection.
1 Médica pós-graduada em Epidemiologia Hospitalar e Infectologia. Chefe Unidade de Controle de
Infecções em Serviços de Saúde da Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde da Agência
Nacional de Vigilância Sanitária – UCISA/GGTES/ANVISA. Presidente da Associação Brasileira de
Profissionais em Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar – ABIH.
2 Enfermeira, mestre em ciências básicas em doenças infecciosas e parasitárias. Assessora da
GIPEA/GGTES/ANVISA.
3 Farmacêutico, pós-graduado em farmácia hospitalar e farmacologia. Assessor da
GIPEA/GGTES/ANVISA.
4 Enfermeira, mestre em educação na área de controle de infecção hospitalar. Assessora da
GIPEA/GGTES/ANVISA.
INTRODUÇÃO
As infecções relacionadas à assistência constituem um problema de saúde pública mundial,
gerando aumento na morbidade, na mortalidade e nos custos assistenciais.1
A adoção de medidas básicas de prevenção pode reduzir a incidência e a gravidade destas
infecções. Ações simples, como a higienização das mãos e o controle de fontes ambientais, apresentam
baixo custo e grande sucesso na prevenção da transmissão de infecções e na interrupção de surtos em
estabelecimentos de saúde.2
Na implementação destas medidas, o álcool etílico e o isopropílico desempenham papel
fundamental, como anti-sépticos e desinfetantes, devido ao seu custo reduzido, baixa toxicidade e
facilidade de aquisição e aplicação.
A desinfecção de ambientes e a anti-sepsia das mãos com o álcool, sem necessidade de
aplicação prévia de água e sabão, vêm sendo adotadas na Europa há vários anos, ganhando importância
cada vez maior, principalmente por estimular a adesão dos profissionais a estas práticas. Os Estados
Unidos, apesar de não possuírem tradição na utilização do álcool para estes fins, vêm se rendendo aos
estudos que comprovam a eficácia desta substância como alternativa à lavagem das mãos. No Brasil, o
álcool é amplamente utilizado como desinfetante, mas a idéia de substituir a lavagem das mãos pela antisepsia
com álcool, ainda é pouco aceita.
DESCOBRINDO AS CARACTERÍSTICAS MICROBICIDAS DO ÁLCOOL
O termo álcool é originário do árabe alkuhul. O líquido incolor e volátil é obtido a partir da
destilação de suco de frutas fermentado, como o da uva, ou de açúcares de féculas, sementes e cana.
O tratamento de feridas com aplicação de vinho é uma das indicações anti-sépticas mais antigas
do álcool, registrada no Egito antigo, e defendida, durante a Idade Média, pelo alquimista Paracelsus,
muito antes de serem conhecidas suas propriedades germicidas.3
No final do Século XIX, embasados pelas evidências sobre a origem microbiana das infecções e
supurações, e pela possibilidade de obter atividade microbicida com a aplicação de álcool, médicos e
cirurgiões utilizavam cada vez mais esta substância excepcional em seus tratamentos e pesquisas.
Nealthon foi o primeiro a utilizar o álcool para anti-sepsia de pele no pré-operatório, e Furbringer, em 1888,
passou a recomendar o seu uso para a higienização das mãos.3
Com todas as limitações da época, diversos cientistas contribuíram para o conhecimento das
características germicidas do álcool, suas aplicações e restrições. Os experimentos de Buchholtz, em
1875, marcaram o início das investigações científicas sobre a capacidade de álcool em eliminar
microrganismos. Os estudos de Koch e Koch, em 1888, evidenciaram sua ineficácia em eliminar esporos
do Bacillus anthracis, mostrando que seu efeito microbicida era limitado às formas vegetativas (não
esporuladas) de bactérias. 4,5 Pesquisas conclusivas sobre sua atividade contra vírus, micobactérias e
fungos só foram realizadas no Século XX.
AÇÕES E LIMITAÇÕES DO ÁLCOOL COMO AGENTE MICROBICIDA.
Este composto orgânico é caracterizado por possuir pelo menos uma hidroxila (radical OH) ligada
ao átomo de carbono. Apresentações com variados pesos moleculares, que lhe conferem características
próprias, são comercializados para diferentes aplicações como, por exemplo, desinfetante, solvente e
combustível, respectivamente o álcool etílico, o isopropílico e o metílico.
O álcool etílico e o isopropílico possuem atividade contra bactérias na forma vegetativa, vírus
envelopados (p.ex.: vírus causadores da influenza, das hepatites B e C, e da SIDA), micobactérias e
fungos. Não apresentam ação contra esporos e vírus não-envelopados (p.ex.: vírus da hepatite A e
Rinovírus),3 caracterizando-se como desinfetante e anti-séptico, porém sem propriedade esterilizante
(Quadro l). Em geral, o álcool isopropílico é considerado mais eficaz contra bactérias, enquanto o álcool
etílico é mais potente contra vírus (Tabela I).6
Sua atividade ocorre provavelmente pela desnaturação de proteínas e remoção de lipídios,
inclusive dos envelopes de alguns vírus. Para apresentar sua atividade germicida máxima, o álcool deve
ser diluído em água, que possibilita a desnaturação das proteínas. A concentração recomendada para
atingir maior rapidez microbicida com o álcool etílico é de 70% em peso e com o isopropílico, entre 60 e
95% (Tabela II).7
Algumas características do álcool limitam seu uso: é volátil e de rápida evaporação na temperatura
ambiente; é altamente inflamável; possui pouca ou nenhuma atividade residual em superfícies; e pode
causar ressecamento da pele, quando usado com freqüência e sem adição de emolientes.3 Além disto, a
presença de altas concentrações de matéria orgânica pode diminuir a atividade microbicida do álcool. 3
O ÁLCOOL COMO ANTI-SÉPTICO
A desinfecção é o processo de destruição de microrganismos, patogênicos ou não, na forma
vegetativa, presentes em objetos inanimados.
Denomina-se anti-sepsia ao conjunto de medidas empregadas com a finalidade de destruir ou
inibir o crescimento de microrganismos existentes nas camadas superficiais (microbiota transitória) e
profundas (microbiota residente) da pele e de mucosas, pela aplicação de agentes germicidas,
classificados como anti-sépticos. 8
Na assistência à saúde, a principal função dos anti-sépticos é o preparo da pele, na higienização
das mãos ou antecedendo alguns procedimentos como cirurgias, aplicações de injeções, punções
venosas e arteriais, cateterismos vesicais e outros procedimentos invasivos, onde ocorre o rompimento
das barreiras normais de defesa do indivíduo.
Os anti-sépticos que mais satisfazem as exigências para aplicação em tecidos vivos são o álcool
diluído em água e compostos alcoólicos ou aquosos de iodo e clorexidina. Soluções aquosas de
permanganato de potássio e formulações à base de sais de prata também são empregadas com esta
finalidade. Formulações preparadas com mercuriais orgânicos, acetona, quaternário de amônio, líquido de
Dakin, éter ou clorofórmio não possuem atividade microbicida ou apresentam toxicidade excessiva quando
aplicados à pele e não devem ser usados para a anti-sepsia.9
De acordo com as recomendações do “Centers for Disease Control and Prevention“ (CDC), na
escolha do anti-séptico ideal para degermação é importante:
1. verificar se possui apresentação clara das características desejadas em relação ao espectro de
atividade procurado, rapidez de ação na diminuição da microbiota, ausência de absorção através da
pele e das mucosas, efeito prolongado estável, ausência de ação corrosiva, odor agradável e baixo
custo;
2. analisar os estudos de avaliação do custo do produto e da sua aceitação pelo usuário, considerando o
balanço custo-benefício (muitas vezes um produto pode ter um preço alto sem custar mais, quando
comparado aos seus benefícios);
3. avaliar a eficácia e a segurança do produto, com aplicação de testes na instituição, quando devem ser
seguidas as instruções do fabricante, para observar aspectos como odor, facilidade de uso e
praticidade da embalagem.8
Mesmo sem possuir ação contra formas esporuladas, em concentrações apropriadas, o álcool é
um anti-séptico de baixo custo, extremamente rápido e eficaz na redução do número de microrganismos
encontrados na pele.10
O álcool está entre os anti-sépticos mais seguros, não só por possuir baixíssima toxicidade, mas
também pelo seu efeito microbicida rápido e fácil aplicação3. Desta forma, provê rápida anti-sepsia em
procedimentos como venopunções e é excepcional para higienização das mãos. 2
Quando comparada à lavagem simples com água e sabão, a aplicação de soluções alcoólicas
para higienização das mãos oferece vantagens como: rapidez de aplicação; maior efeito microbicida; é
menos irritante para a pele, quando associado a emolientes; maior aceitabilidade pelos profissionais.
Aplicações de álcool durante 15 segundos são eficazes na prevenção de transmissão de bactérias gram
negativas encontradas nas mãos dos profissionais de saúde 11 e o seu modo de aplicação simples reduz o
tempo de higienização das mãos em até quatro vezes.12,13
Osler apresentou, em 1995, um estudo comparativo da eficácia dos diversos produtos comumente
utilizados na prática do procedimento de degermação das mãos: sabão líquido, PVP-I degermante,
clorexidina degermante, solução aquosa de PVP-I, álcool a 70% e clorexidina associada a álcool a 79%.
Neste estudo, o álcool a 70% apresentou mais eficácia como bactericida, com um efeito residual maior,
comparado a outros anti-sépticos.14
Quando associado a algum emoliente, o álcool tem sua atividade bactericida prolongada, por meio
do retardamento da sua evaporação, com diminuição também do ressecamento e irritação provocadas na
pele pelo uso repetido.6
APLICAÇÕES DO ÁLCOOL COMO DESINFETANTE
Objetos e ambiente não são fontes comuns de contaminação na assistência à saúde, mas estão
envolvidos em surtos de infecções ocorridos em estabelecimentos assistenciais de variados níveis de
complexidade.
Os desinfetantes são capazes de destruir formas vegetativas de bactérias, fungos e vírus,
presentes em artigos e superfícies. A habilidade e a rapidez em eliminar estes microrganismos definem o
nível de desinfecção que pode ser alcançado por determinado agente desinfetante:15
1. nível baixo: eliminação da maioria das bactérias, de alguns vírus e de fungos, sem inativação de
microrganismos mais resistentes, como micobactérias e formas esporuladas;
2. nível intermediário: inativação das formas vegetativas de bactérias, da maioria dos vírus e dos fungos;
3. ou nível alto: destruição de todas os microrganismos, com exceção de formas esporuladas
À exceção do iodo e do álcool, que possuem ação desinfetante, as soluções anti-sépticas são
inadequadas e contra-indicadas para desinfetar superfícies fixas, instrumentais e objetos reutilizáveis.
Para que os desinfetantes sejam eficazes, é necessário que sejam aplicados de forma correta,
utilizando sempre a concentração e tempo de exposição indicados, conforme as recomendações de seus
fabricantes.
O álcool é classificado como desinfetante de nível intermediário e devido à praticidade de uso, é
encorajada a sua aplicação na desinfecção de superfícies de mobiliários e equipamentos, termômetros,16
diafragmas e olivas de estetoscópios, bandejas de medicação, ampolas e frascos de medicamentos, fibra
óptica de endoscópios.17 O uso do álcool na desinfecção de mesas cirúrgicas e demais equipamentos
pode reduzir o tempo de espera entre um procedimento e outro.
Entretanto, as condições de aplicação podem limitar o uso do álcool como desinfetante. Exemplos
desta situação foram publicados na literatura científica. Alguns estudos demonstraram a efetividade,
segurança e boa relação de custo no uso do álcool a 70% para desinfetar cabeça de transdutores
reutilizáveis em um ambiente controlado.18,19 Por outro lado, Beck-Sague e Jarvis descreveram um surto
de infecção da corrente sangüínea, quando o álcool foi usado rotineiramente para desinfetar cabeças de
transdutores em uma unidade de terapia intensiva.16
Algumas rotinas de trabalho podem levar a alterações na concentração das soluções do álcool.
Um exemplo muito difundido em nosso meio é o hábito de preparar, com antecedência, gazinhas ou
chumaços de algodão embebidos em solução alcoólica, depositados em copinhos descartáveis abertos,
para uso durante o turno de trabalho. Devido à fácil evaporação do álcool, a concentração deste agente
cai rapidamente, com perda da propriedade germicida, servindo de fonte de contaminação para
superfícies e sítios de administração de medicamentos injetáveis, onde o material é utilizado.20
A inabilidade de penetração do álcool em alguns materiais e a ausência de atividade esporicida
restringem a sua aplicação também no preparo de materiais cirúrgicos. Publicações antigas já apontavam
os riscos de tal prática, exemplificada pelo surto de infecções cirúrgicas ocorridas em um hospital de
Boston, nos Estados Unidos, em conseqüência da utilização de instrumentais cirúrgicos supostamente
esterilizados em álcool, que permaneceram contaminados por esporos de Clostridium. 21
Além destes aspectos, outras limitações ao uso do álcool como desinfetante já foram analisadas.
Vários estudos demonstraram que a ação do álcool sobre alguns tipos de equipamentos provocou danos
nas partes de borracha, com perda, em pouco tempo, da sua elasticidade. A deterioração da cola de
tonômetros, depois de um ano de uso também foi observada.22 Outros materiais que não devem ser
submetidos à desinfecção pelo álcool são o acrílico, tubos plásticos e equipamentos de fibra óptica, sendo
que nestes últimos, a limitação ocorre pela possibilidade de dano ao cimento das lentes. 21
NÃO BASTA PARECER BOM, PRECISA TER QUALIDADE
Desinfetantes e anti-sépticos contaminados são fontes freqüentes de microrganismos envolvidos
em surtos de infecções em hospitais. Diversas situações nas rotinas de aquisição, estocagem,
manipulação e distribuição interna de desinfetantes podem alterar a qualidade do álcool e de outras
soluções utilizadas nos serviços de saúde.
Os principais fatores que comprometem a qualidade de desinfetantes e anti-sépticos são: matériaprima
com concentrações diferentes da indicada, uso de água não purificada para diluição, estocagem em
locais de umidade e temperatura elevadas, embalagens que não protegem de extravasamentos,
contaminações química ou biológica por contato com o ambiente ou com as mãos, e rotinas que não
cumprem as técnicas de boas práticas na manipulação destes produtos.
Entre os cuidados necessários para garantir a qualidade do álcool, assim como a de todos os
outros anti-sépticos e desinfetantes, deve-se incluir sempre a verificação do registro na Agência Nacional
de Vigilância Sanitária – ANVISA e a análise do laudo técnico do laudo de fabricação, contendo o nome e
registro de classe de quem executou os testes físico-químicos e suas comparações com a Farmacopéia
Brasileira.23, 24
Apesar da exigência legal, ainda é freqüente, por parte dos serviços de saúde, a aquisição de
desinfetantes e anti-sépticos sem registro. Atraídos por preços mais baixos, os estabelecimentos adquirem
produtos sem a qualidade garantida pelos testes físicos, químicos e biológicos exigidos pela legislação.25
Um estudo da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins, realizado em
2001 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – FIPE, identificou a existência de um vasto
mercado informal de produtos de limpeza e higiene. Os itens que mais se destacaram no estudo foram o
hipoclorito (água sanitária), outros desinfetantes e os detergentes líquidos, que representaram,
respectivamente, 42,1%, 30,6% e 7,7% deste comércio.26 A informalidade atinge segmentos industriais em
que a concentração da produção é menor, com complexidade tecnológica reduzida e estrutura de
distribuição pulverizada, sem possibilidade de controle da qualidade em todas as etapas envolvidas.26
Além da fiscalização do governo e da validação dos processos de manipulação e de utilização, é
também fundamental, para garantia dos resultados, o controle interno da qualidade dos produtos
recebidos, com a utilização de testes comerciais e indicadores químicos manipulados pelos farmacêuticos
ou fornecidos pela indústria.2727
Quando o álcool etílico for diluído na farmácia hospitalar, a manipulação deve seguir uma técnica
de preparo escrita, disponível para consulta, e ser submetido a um controle de qualidade pelo
farmacêutico.27 A água utilizada na manipulação de produtos é considerada matéria-prima produzida pelo
próprio estabelecimento e é obtida pela purificação da água potável.23
O produto manipulado deve ser submetido a um estudo de estabilidade para ter seu prazo de
validade determinado. A indústria alcoolquímica determina a validade de seus produtos para um período
de 1 a 2 anos. As distribuidoras, que muitas vezes fornecem álcool como matéria-prima para hospital,
estabelecem um prazo de 6 meses para sua utilização.
A responsabilidade legal e ética pela qualidade de produtos farmacêuticos usados na Instituição,
assim como a dos medicamentos, é do próprio estabelecimento e do farmacêutico responsável técnico
pelo serviço de farmácia hospitalar.27 O código de defesa do consumidor explica que “a responsabilidade
pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa”. Esta responsabilidade
estende-se da manipulação e manutenção das preparações até a sua dispensação ao cliente.27, 28
É importante lembrar, ainda, que o álcool é altamente inflamável e, por conseguinte, deve ser
armazenado em uma área fresca, bem-ventilada.29
USO DO ÁLCOOL LÍQUIDO NO AMBIENTE DOMÉSTICO: RISCO DE VIDA
O uso doméstico do álcool como desinfetante e anti-séptico no Brasil é considerado um dos
maiores do mundo. Sua aplicação na limpeza doméstica está relacionada a elevados índices de acidentes
com queimaduras, estimados em 1.000.000 por ano no País, respondendo pela maioria das internações
de pacientes queimados e por até 40% de seus óbitos. 30
Os estudos desenvolvidos para verificar as formas de reduzir o número e a gravidade dos
acidentes domésticos com queimaduras causadas pelo álcool30 resultaram na determinação, pelaAnvisa,
em fevereiro de 2002, de sua comercialização apenas na forma de gel.31 Entretanto, a disponibilidade do
álcool líquido para usos industriais, laboratoriais e na área de assistência à saúde foi mantida, aguardando
ainda uma regulamentação específica para a sua utilização no setor de saúde. 32
Além disto, a participação das entidades de classe, comunidades organizadas e governo na
educação e na conscientização da população sobre a prevenção de acidentes com o álcool será
determinante para a redução de acidentes tão graves, causados por uma agente tão útil à saúde.
CONCLUSÃO
As mãos dos profissionais de saúde e as fontes ambientais de microrganismos representam
importante papel na cadeia de transmissão de doenças infecciosas nos ambientes assistenciais, que se
traduzem em aumento na gravidade das doenças, no número de mortes e nos custos econômicos e
sociais dos tratamentos.
O álcool é um desinfetante importante para o ambiente assistencial e um anti-séptico excepcional,
por possuir características microbicidas direcionadas aos microrganismos mais freqüentes neste meio,
possuir fácil aplicabilidade, baixo custo e reduzida toxicidade.
Sua utilização nas áreas de assistência à saúde deve obedecer às legislações sobre sua
comercialização e seguir critérios como diluição correta e tempo de exposição adequado, respeitando as
restrições de uso em artigos sensíveis à sua ação, como borrachas, plásticos e colas.
Para que haja um melhor aproveitamento dos anti-sépticos e desinfetantes, do ponto de vista de
custo e qualidade, é necessário que os produtos adquiridos tenham registro na Anvisa, venham
acompanhados dos laudos de fabricação e que o estabelecimento disponha de um responsável
farmacêutico para a sua avaliação, aquisição e manipulação.
Ainda, o envolvimento de toda a sociedade, na promoção da educação e conscientização da
comunidade leiga e especializada é fundamental para a prevenção de acidentes causados pelo uso
inadequado do álcool no ambiente domiciliar.
Tabela 1: Comparação das características do álcool com outros anti-sépticos
Grupo ou
subgrupo
Bactérias Gram
positivas
Bactérias
Gram
negativas
Mycobacterium
tuberculosis
Fungos
Vírus
Velocidade da
ação microbicida
Inativação por
muco e proteína
Comentários
Álcool Bom Bom Bom Bom Bom Rápida Moderada
Ótima potência nas concentrações entre 70-90%
com adição de emolientes; não é recomendado para
a limpeza física da pele; bom para anti-sepsia das
mãos e preparo do sítio cirúrgico.
Clorexidina* Bom Bom Moderado Moderado Bom Intermediária Mínima
Possui efeito residual; bom para lavagem das mãos
e do sítio cirúrgico ou preparo pré-operatório da pele
do paciente; não usar próximo de mucosa; há
relatos de oftalmo-toxicidade; atividade neutralizada
por surfactantes não-iônicos.
Hexaclorofeno
aquoso a 3% Bom Pobre Pobre Pobre Pobre Lenta Mínima
Possui efeito residual e cumulativo em usos
repetidos (ação do álcool reduz efeito cumulativo);
pode ser tóxico quando absorvido pela pele, em
especial nos prematuros; bom para lavagem das
mãos, mas não para o preparo do sítio cirúrgico;
limitado espectro de ação antimicrobiana.
Compostos
Iodados em
base alcoólica
Bom Bom Bom Bom Bom Rápida Acentuada
Podem causar queimaduras na pele quando
aplicados como tintura a 1% por um tempo
prolongado; são irritantes quando usados na
lavagem das mãos, mas excelente para o preparo
do sítio cirúrgico da pele.
Iodóforos* Bom Bom Moderado Bom Bom Intermediária Moderada
Menos irritantes; bons para a lavagem das mãos e
preparo do sítio cirúrgico; rapidamente neutralizados
na presença de matéria orgânica.
Paraclorometaxilenol
(PCMX) Bom Moderado
** Moderado Moderado Moderado Intermediária Mínima Atividade neutralizada por surfactantes não-iônicos.
Triclosan Bom Bom Moderado Pobre Bom Intermediária Mínimo
*Alguns agentes, como a iodina ou clorexidina, são adicionados ao álcool para formar tinturas e são disponíveis na formulação combinada.
**Atividade aumentada com a adição de agente quelante como EDTA.
Modificado de: GRAZIANO KU, et al. Limpeza, desinfecção esterilização de artigos e anti-sepsia. IN: FERNADES AT., Atheneu, São Paulo, 2000, 266-305.
Tabela 2 – Ação germicida de várias
concentrações de álcool etílico em solução aquosa
contra o Streptococcus pyogenes.
Tempo (segundos)
Concentração do Etanol (%) 10 20 30 40 50
100 – – – – –
90 + + + + +
80 + + + + +
70 + + + + +
60 + + + + +
50 – – + + +
40 – – – – –
– ausência de ação germicida (crescimento bacteriano).
+ ação germicida (ausência de crescimento bacteriano).
Modificado de TALBOT GH, et al. 70% alcohol
disinfection of transducer heads: experimental
trials. Infect Control, 1985; 6:237-9.
Quadro l – Definição de termos-chave
Desinfecção: processo de destruição de
microrganismos, patogênicos ou não, na
forma vegetativa, presentes em objetos
inanimados, pela aplicação de agentes
germicidas, classificados como desinfetantes.
Anti-sepsia: conjunto de medidas empregadas
com a finalidade de destruir ou inibir o
crescimento de microrganismos existentes
nas camadas superficiais (microbiota
transitória) e profundas (microbiota residente)
da pele e de mucosas, pela aplicação de
agentes germicidas, classificados como antisépticos.
Esterilização: destruição ou remoção de todos
os organismos vivos, incluindo esporos, por
agentes esterilizantes químicos ou físicos.15
Tabela 3. Propriedades Químicas dos desinfetantes líquidos a
Desinfetante Ação Diluição Ação dos desinfetantes
contra microrganismos Outras características Aplicação Tipos de
desinfetantes e
esterilizantes
líquidos
Desinfetante
Esterilizante
Concentração
Inativação por
matéria orgânica
Bactericida
Esporicida
Tuberculocida
Fungicida
Vírus Lipofílicos
Vírus hidrofílicos
Inflamável
Potencial
explosão
Corrosivo
Irritante para a
pele
Irritante
respiratório
Irritante ocular
Limpeza de
Superfície
Vidros sujos
Descontaminação
de equipamentos
Álcool (etílico
isopropílico) S N 60-85% + + − + + + + b + − − + − + + − −
Cloro S N 100-1000 ppm + + +/- +/- c + + + − − + + + + + + +
Glutaraldeído S S 2-5% − + + + + + + − − − + + + − + +
Iodóforos S N 30-1,000ppm − + − +/- +/- + + − − + + − + + + +
Compostos
fenólicos S N 0,5 – 5% − + − + + + +/- − − + + + + + + +
Compostos de
quartenário de
amônia
S N 0,5-1,5% + + − − +/- + − − − − − − + + + +
a Para obter informações específicas como: tempo de validade, ação de limpeza, segurança em saúde e corrosão, consultaras especificações do
fabricante destes produtos.
b Álcool isopropílico é menos ativo que o álcool etílico contra vírus hidrofílicos.
c No caso da micobactéria, o cloro tem mais efetividade em concentrações de 10.000 ppm.
Modificado de Baron E.J et al. Manual of Clinical Microbiology , Massachussets, USA; 1995, 88.
Referências bibliográficas
1CENTERS FOR DISEASE CONTROL. National Nosocomial Infection Study Report,
Atlanta: Center for Disease Control, November 1979:2-14.
2SANTOS, AAM. Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de
saúde, Revista de administração em saúde, Redprint editora, vol 4, abr-jun
2002; 15:10-14.
3YOSEF A. et al. Alcohols, in Block, S.S., Disinfection, Sterilization, and Preservation,
5ed. – 2000; 229-253.
4BUCHHOLTZ L. Anticeptica und Bakterien. Arch Exp Pathol, 1875; 4. 1-5.
5KOCH HA, KOCH Y. Zur wirkung von Desinfektionsmitteln auf Schimelpilze,
Dermatophyten und Hefen, Wiss. Z. Humboldt – Univ. Bel. Math. Naturwiss.
Reihe, 18, 1157. Koch R, 1881, Uber Desinfektion, Mitt Kaiserlich,
Gesundheitsam, 1969; 1;234.
6ROTTER, ML. Hand washing, hand disinfection and skin disinfection. In: Wenzel RP, ed.
Williams & Wilkins, Baltimore, 1997, 691-709.
7TORTORA GJ, FUNK BR, CASE CL. Controle do crescimento microbiano in: Tortora
GJ, ed. Microbiologia, 6ª. Ed – Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000; 181-
206.
8CARVALHO, I – Anti-sépticos locais. Estudo crítico. Ars Curandi, 1978-jan.1979-fev:1-
20.
9Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.616/MS/GM, de 12 de maio de 1998. Brasília.
10ALTAMEIER, WA. Surgical antiseptics. Block SS. Disinfection, Sterilization, and
Preservation, 4ed. Philadelphia: Lea&Febiger, 1991, 26: 493-504.
11EHRENKRANZ, NJ. Alfonso BC. Faillure of bland soap handwash to prevent hand
transfer of patient bacteria to urethral catheters. Infec Control Hosp Epidemol,
1991, 12: 654-662.
12ROTTER, ML. Arguments for alcoholic hand disinfection. J Hosp Infect, 2001, 48,
Suppl A: S4-8.
13GOPAL, RG et al.. Marketing hand hygiene in hospitals-a case study. J Hosp Infect;
2002; 50 (1): 42-7.
14OSLER, T. Antiseptics in surgery. In: Fry DE. Surgical infections. Little Brown and
Company, Boston, 1995, 119-25.
15OLIVEIRA AC, ARMOND GA. Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos médicohospitalares
in Martins MA ed. Manual de Infecção Hospitalar – Epidemiologia,
prevenção e controle – 2ª. Ed. – MEDSI Belo Horizonte, 2000.
16SOMMERMEYER L, FROBISHER M. Laboratory studies on disinfection of rectal
thermometers. Nurs. Res. 1953;2:85-9.
17GARCIA DE CABO et al.. A new method of disinfection of the flexible
fibrebronchoscope. Thorax 1978;33:270-2.
18TALBOT GH, et al.. 70% alcohol disinfection of transducer heads: experimental trials.
Infect. Control, 1985; 6:237-9.
19PLATT R, et al.. Safe and cost-effective cleaning of pressure-monitoring transducers.
Infect. Control Hosp. Epidemiol. 1988;9:409-16.
20RUTALA, WA. et al. Draft Guideline for Disinfection and Sterilization in Healthcare
Facilities, APIC. 2001; 34-35
21NYE RN, MALLORY TB. A note on the fallacy of using alcohol for the sterilization of
surgical instruments. Boston Med. Surg. J. 1923;189:561-3.
22 CHRONISTER CL, Russo P. Effects of disinfecting solutions on tonometer tips.
Optom. Vis. Sci.1990;67:818-21.
23 BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Resolução RDC nº 33 de 19 de
abril de 2000 que aprova o Regulamento Técnico sobre Boas Práticas de
Manipulação de Medicamentos em farmácias e seus Anexos. Diário Oficial da
República Federativa do Brasil, Brasília, 08 de Janeiro de 2001.
24 BRASIL. Farmacopéia dos Estados Unidos do Brasil 2a. Edição 1959.
25 BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Portaria n° 15 de 25 de agosto de
1988.
26 FIPE. Relatório da avaliação do setor informal no mercado de produtos de limpeza.
Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Agosto 2001, São Paulo.
27 MOREIRA AM. et al,. Ciências Farmacêuticas – uma abordagem em Farmácia,
Atheneu, 2000, 21:380.
28 BRASIL. Código de defesa do Consumidor, Lei n° 8078 de 11 de setembro de 1990.
29 BLOCK SS. Chemical disinfection of medical and surgical materials. In: _ BLOCK SS
Disinfection, Sterilization, and Prevention, 4 ed, 1991.
30 RODRIGUEZ IAM. Acidentes por queimaduras com álcool: subsídios para a
Implantação de ações preventivas. São Paulo; s.n.;1995.[87] p. ilus, tab.
31 BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Resolução RDC nº 46 de 20 de
fevereiro de 2002, que dispõe sobre Regulamento Técnico para álcool etílico
hidratado, em todas as graduações, e álcool etílico anidro comercializados por
atacadistas e varejistas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil,
Brasília, 21 de fevereiro de 2002.
32 BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Resolução RDC nº 219 de 02 de
agosto de 2002, que altera a Resolução da Diretoria Colegiada – RDC 46 de
20 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil,
Brasília, 06 de Agosto de 2002.


Nossas Marcas